Empreendedorismo

COMÉRCIO COLABORATIVO

Se a criatividade individual já nos possibilita ir além, o que dirá da criatividade colaborativa?

A criatividade humana é riquíssima, cada um de nós possui um talento, e ao exercitarmos nossas habilidades nos conectamos com o melhor de nós. Há quem diga que feliz é o homem que usa o seu talento em função de sua própria vida.

Isso porque ao trabalharmos com as nossas potencialidades tendemos a desenvolver um trabalho com muito mais qualidade, pois o dom, sendo nato, não necessita de muito esforço para se concretizar.

O comércio colaborativo pode ser uma alternativa adicional na divulgação de talentos, assim como pode proporcionar de forma horizontal uma melhor distribuição de renda.

Ajuda na disseminação de talentos, porque com a criação de mais espaços colaborativos, abre-se mais oportunidades para as pessoas mostrarem o seu trabalho ao público. A distribuição de renda passa a ser horizontal porque a concorrência não fica nas mãos de poucos empresários, e esse formato de comércio pode gerar uma multiplicidade de empresários.

Para melhor exemplificar essa iniciativa, convidamos a empresária Márcia Machado que abriu um Ateliê Colaborativo  na linda Chapada dos Veadeiros – GO.

Márcia trabalha com mais de 30 artesãos em seu ateliê, é responsável por todo o custo do empreendimento, mas não absorve os custos do estoque. Esse formato de negócio beneficia a proprietária da empresa, pois ela pode contar com uma variedade ilimitada de produtos para oferecer a seus clientes, e ainda beneficia muitos empreendedores que não precisam arcar com os custos de ter um estabelecimento comercial físico.

 

Amazonia Vital – De onde surgiu a ideia de trabalhar com comércio colaborativo?

Márcia – O nosso início foi com a minha filha fazendo sabonetes artesanais, e nós duas comercializando a produção dela em feiras de artesanato nos finais de semana. Nesse período participamos também de algumas lojas colaborativas “tradicionais”, aquelas onde vc paga um aluguel (que depende do tamanho do espaço ocupado) + um percentual que varia entre 19% até 25% como “taxa de administração”. O cansaço físico aliado ao pouco retorno financeiro, nos fez pensar em outro formato de negócio/comercialização dos nossos produtos (os sabonetes e afins) e aí partimos para espaço física fixo. Uma pequena loja.

Mas, mesmo uma pequena loja, ainda seria grande pra comercializar somente sabonetes, mas não havia capital pra investir em outros produtos, foi aí que surgiu a ideia de procurarmos parceiros sem que eles tivessem que “investir” pagando para expor/vender seus produtos. Artesãos como nós, que quisessem colocar seus produtos em uma outra vitrine. Eles colaborariam com um percentual para os custos fiscais/administrativos da loja somente se seus produtos fossem vendidos. Assim nasceu o Rutilo Atelie Colaboratibo.

 

Amazonia Vital – Desde quando vocês estão atuando nessa área?

Márcia – Estamos atuando desde outubro de 2017, primeiro em Brasília/DF e a partir de outubro/2019 em Alto Paraíso -GO.

 

Amazonia Vital – Por que abriram o negócio na Chapada dos Veadeiros?

Márcia – Meu irmão que vinha com frequência pra Chapada sempre dizia que a nossa loja tinha a cara daqui. Viemos pra cá pra “conferir” e concordamos, até porque depois de me aposentar estava querendo um pouco de sossego, em princípio era pra ser uma loja temporária, mas gostei tanto da ideia, e principalmente do “clima” da cidade que resolvi mudar de cidade, de planos e de “vida”.
Minha filha e sócia, continua em Brasília produzindo e cuidando da parte administrativa, vindo a Alto Paraíso duas vezes por mês pra nos abastecer e fazer reposição.

 

Amazonia Vital – Quantos parceiros vocês têm?

Márica – Hoje temos 30 parceiros.

 

Amazonia Vital – Como fazer para se tornar um parceiro?

Márcia – Entrar em contato, apresentar seus trabalhos que devem ser preferencialmente 100% autorais, artesanais de fato, criativos e com qualidade. Eles serão avaliados pra ver se têm a ‘cara’ da loja, se sim… já estarão dentro!!!

 

Amazonia Vital – Como é o formato do negócio?

Sem cobrança de aluguel, sem espaço definido e sem carência. É cobrada uma taxa única de 35% para cobrir os custos de administração, taxas de cartão, embalagens, divulgação, etc

Esse conceito norteia um dos valores da Amazonia Vital, que busca contribuir com o comércio inclusivo, sendo uma vitrine da arte popular.

Aqui fica o convite para você fugir um pouquinho do que lhe é conhecido e familiar e desbravar outros conceitos de moda, estilo e criatividade. https://www.instagram.com/rutiloatelie/

Por Kelly Souza

Você também pode gostar...

2 comentários

  1. Excelente idea y ayuda para los artesanos y artistas !!
    Adelante !!

    1. Mario, obrigada!
      Sim, sempre adiante!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *